Nomes que Fizeram História

índice de nomes

Ohm

página inicial

GEORG SIMON OHM   (1787 - 1854)


Georg Simon Ohm nasceu em Erlangen, Baviera, Alemanha, em 16 de março de 1787. Formado em física pela Universidade de Erlangen (1813) tornou-se professor secundário em Bamberg, ensinou física e matemática em Colônia (1817) e na Escola de Guerra de Berlim (1826). Logo se revelou um hábil pesquisador desenvolvendo experiências com instrumentos que ele mesmo fabricava. Depois de estudar na Universidade de Erlangen, passou a ensinar matemática no Colégio Jesuíta de Colônia.

Porém Ohm desejava lecionar em uma universidade. Para tanto, foi exigido, como prova de admissão, que ele realizasse algum trabalho de pesquisa inédito. Optou por fazer experiências com a eletricidade, e para isso construiu seu próprio equipamento, incluindo os fios, conseguindo, assim o cargo desejado.

Como professor de universidade, Ohm começou sua pesquisas utilizando a pilha eletroquímica e a bateria, recém inventados pelo italiano Alessandro Volta. Usando equipamentos de sua própria criação e experimentando diferentes espessuras e comprimentos de fios, também fabricados por ele, acabou descobrindo as relações matemáticas extremamente simples que envolvem essas dimensões e as grandezas elétricas.

Inicialmente, verificou que a intensidade da corrente era diretamente proporcional à área da seção transversal do fio e inversamente proporcional ao seu comprimento. Com isso, Ohm pôde definir um novo conceito: o de resistência elétrica. Usando os resultados de suas experiências, Ohm podia definir a relação fundamental entre voltagem, corrente, e resistência. Estas relações fundamentais são de tal importância, que representam o início verdadeiro de análise de circuitos elétricos. 

Em 1827, Ohm conseguiu formular um enunciado que envolvia, além dessas grandezas, a diferença de potencial: "A intensidade da corrente elétrica que percorre um condutor é diretamente proporcional à diferença de potencial e inversamente proporcional à resistência do circuito". Tal enunciado é até hoje conhecido como Lei de Ohm.

Neste mesmo ano, Ohm publicou suas pesquisas que, embora tenham sido uma importante colaboração na teoria dos circuitos elétricos e suas aplicações, acabaram sendo rejeitadas por seus colegas, por um lado porque ele tentou explicar esses fenômenos a partir de uma teoria sobre o fluxo de calor, e por outro por ter apresentado uma teoria com uma base matemática considerada fraca pelos físicos da época, tal a simplicidade de suas descobertas. Ohm precisou até mesmo renunciar a sua posição de ensino na universidade e viveu na pobreza durante os seis anos seguintes, ministrando aulas particulares em Berlim.

Somente em 1833 ele conseguiu se reintegrar nas atividades cientificas, aceitando um cargo na Escola Politécnica de Nuremberg. Embora isto desse a ele novamente o título de professor, ainda tinha um ressentimento por não ser na universidade para a qual ele se dedicou com tanta vontade.

Foi somente em 1841 que a Sociedade Real em Londres reconheceu o significado de suas descobertas e o premiou com a medalha de Copley, admitindo-o como membro no ano seguinte. Em 1849, só 5 anos antes de sua morte, o sonho de sua vida se concretizou quando recebeu o cargo de professor de Física Experimental na Universidade de Munique. Faleceu em 7 julho de 1854, nesta mesma cidade, com 65 anos.

O reconhecimento tardio de suas pesquisas foi bem-vindo, mas permanece a pergunta de por quê alguém que hoje é um grande nome por suas contribuições precisou lutar por tanto tempo para reconhecimento de suas descobertas. Isto pode não ter uma explicação simples, mas sim ser o resultado de vários fatores diferentes. Um deles pode ter sido pela própria personalidade de Ohm, de certa forma reservado e sem amigos influentes. Outro fator era certamente sua abordagem matemática para tópicos que, naquele tempo em seu país, eram tratados unicamente como não matemáticos.

Além disso, também existiam disputas pessoais entre os homens no poder, o que acabou por fazer de Ohm uma pessoa sem influência. Ele certamente não obteve nenhuma ajuda de Johannes Schultz, que era uma figura influente no ministério de educação em Berlim, tampouco de Georg Friedrich Pohl, um destacado professor de física naquela cidade.

A eletricidade não era o único tópico em que Ohm empreendeu suas pesquisas, e também não o único assunto em que ele acabou em controvérsia. Em 1843 ele declarou o princípio fundamental da acústica fisiológica, sobre o modo em se ouve a combinação de tons. Porém as suposições que ele fez através de proposições matemáticas não eram totalmente justificadas, e resultaram em uma disputa amarga com o físico August Seebeck, que acabou por ter sucesso em desacreditar a hipótese de Ohm, o qual teve que reconhecer seu erro.

Em homenagem ao valor de suas descobertas, a unidade de resistência elétrica do Sistema Internacional leva o seu nome.

  

índice de nomes

Ohm

página inicial